VIDA, VIDA

Oi, pessoal,
Tecnicamente falando, este é meu primeiro texto de 2016, até porque comecei a escrevê-lo logo na primeira madrugada deste novo ano. É uma reflexão bem humilde e despretenciosa.
Boa leitura.

VIDA, VIDA

VIDA, Ó VIDA
SOBERBAMENTE VIVIDA

VIDA, Ó VIDA ABENÇOADA
SUPERLATIVAMENTE VALORIZADA

VIDA, Ó VIDA MARAVILHOSA
FREQUENTEMENTE DESDITOSA

VIDA, Ó VIDA TÃO AMADA
CRUELMENTE ARRANCADA

VIDA, Ó VIDA
O QUE POSSO DIZER-TE?
COMO POSSO VIVER-TE?

SE COM TODOS ÉS ASSIM
ENGANAS A OUTROS E A MIM
POIS A ESPERANÇA MORRE NO FIM

VIDA, Ó VIDA, TANTA CRUELDADE TENS
POIS BEM LÁ NO FINAL COM DESDÉM
A TUA IRMÃ A MORTE SEMPRE VEM

Poesia: Rita Maria Felix da Silva

janeiro 7, 2016 at 12:44 am 3 comentários

HQ-BIZARRIAS 8 DE 10 – O MAJOR RASSKASOV VAI AO PSICANALISTA

Pessoal,

Bem-vindos a oitava história da série “Bizarrias”. Agora faltam apenas duas para concluir esta sequência de quadrinhos. Semelhante a “Bruno”, esta é outra pequena contribuição minha à causa e luta LGBTT, lembrando que o humor é uma ótima arma para ser usada contra a opressão.

Algum leitor meu do tipo mais purista talvez alegue que, nesta história, reutilizei um tema que já apareceu em “Bizarrias”, aí vou me sentir no impulso de discordar. Usei sim o mesmo tipo de criatura, mas a temática e a história são completamente diferentes.

Sobre a gênese dessa história (sem detalhar muito para não fazer spoiler), O Major Bóris Rasskasov e Nikolai foram pensados para um aparição curtíssima numa história bõnus dessa série. Não sei se ainda farei essa história, mas depois posso falar mais sobre isso de bônus…

Bem, já falei muito e estou retendo vocês de passar para essa história, mas antes quero registrar meus aplausos para a artista Débora Caritá. Eu a considero como brilhante e adorei o trabalho de arte dela para “O Major…”. É a segunda vez que os Deuses e Deusas me deram a graça de tê-la como colaboradora num trabalho meu (ganha um  doce virtual quem descobrir qual foi a primeira). Pessoal, fiquem atentos: essa garota tem muito futuro. Ainda vai ser uma das grandes dos quadrinhos.

Beijos, boa leitura!

WEB Bizarrias 8-1_pag-01

WEB Bizarrias 8-2_pag-02

novembro 14, 2015 at 7:42 pm 2 comentários

Outro Amor

Pessoal,

Para os mais curiosos, este é apenas um poema ficcional,ok?

Não é dirigido a ninguém real.

Boa leitura.

OUTRO AMOR

 

Outro amor…

É do que tu precisas

Outro amor…

Que te devolva o dom de sorrir

Outro amor…

Que te faça o coração bater mais rápido

Outro amor…

Que te proteja da solidão da vida

Outro amor…

Que dê cor a teus dias chuvosos

Outro amor…

Que te possa enlouquecer de amor

Outro amor…

Que não te parta o coração

Outro amor…

Que não encha de lágrimas teus olhos

Outro amor…

Que não te abandone no frio da noite

Outro amor…

Que não te troque por outros braços

Outro amor…

Que ria e chore contigo

Outro amor…

Que te faça gritar de prazer

Outro amor…

Que eu rezo seja eu

Poema: Rita Maria Felix da Silva

novembro 9, 2015 at 3:37 am 3 comentários

PENSADRÔMIO

Quando escrevi a primeira versão deste texto, achei que não funcionasse como um poema, por isso transformei-o numa prosa.
Foi quando o mostrei ao escritor Daniel Folador (Daniel é um dos melhores escritores brasileiros que conheço, o cara é realmente bom, e eu costumo epitetá-lo de “Neil Gaiman brasileiro em estado embrionário”, um título que ele, humildemente, recusa). Dan, porém, opinou que poderia ser sim um poema. Realmente, obrigada, Dan.

PENSADRÔMIO

Porque pessoas poderosas não podem pensar
Porque pessoas poderosas não sabem pensar
Pessoas poderosas não vão te deixar pensar

É crime, é grave infração, é anticonstitucional
Porque quem pensa logo pode poder vir a duvidar
E se duvidares de teu rei o que teu rei será?

Todos sabem, nunca foi nem mesmo um segredo
Sim, pessoas poderosas morrem e tremem de medo
Daquelas pessoas comuns que vivem a pensar, pensar

Pessoas poderosas matam de bala, espada e tortura
Quem troca a tranquila, ordeira e sagrada apatia
Pelo caos, turbulência e transgressão de pensar

Vou fixar minha cabana humilde e desprentenciosa
Mas tão intelectualmente engajada e consciente
No topo de colina economicamente desinteressante

E lá montar meu novo mundo aparte, isolado, escondido,
Pós-utopia e todo o Capitalismo, para só comer e dormir
E estudar Sócrates, Marx, Mafalda e Simone de Beauvoir

Pensadrômio s.m. obra literária (em prosa ou verso), geralmente curta,
que trata do ato de pensar.

Poema: Rita Maria Felix da Silva

novembro 2, 2015 at 6:17 am 1 comentário

Fragmento 002 – Bruno

Bruno escutou “Shiny Happy People”, do R.E.M., tocando no rádio quando se arrumava para ir a aula e se apaixonou por essa música. Vivia assobiando ou cantarolando-a baixinho.

Na escola, durante o recreio, ligava o celular e ficava cantando e dançando “Shiny Happy…” no pátio ou no estacionamento. Eram os momentos mais felizes da sua vida.

Fernando, outro aluno, corpulento e duas séries mais adiantadas que ele, odiava aquilo. Dizia que era “coisa de gay”. Odiava tanto que juntou três amigos semelhantes a ele e colocou um plano em ação. Pagou, com uma nota de cinquenta, ao vigilante para que este fosse “dar uma voltinha” e deixasse a guarita do estacionamento vazia uns minutos.

Naquela tarde, quando o recreio começou e Bruno dançava no estacionamento, Fernando e os seus, com pedaços de pau e um cano de ferro, deram-lhe a maior surra de que já se ouviu falar. O rosto virou uma massa desfigurada de sangue e carne. Partiram-lhe mais ossos do que seu corpo poderia aguentar.

Chegou já morto ao Hospital Santa Emília numa tarde chuvosa de quinta-feira. O enterro foi lá no Cemitério João da Paz, num sábado de sol ardente como o Inferno, uma semana antes do que teria sido seu décimo-quarto aniversário.

Na polícia, Fernando e seus comparsas apenas disseram que a surra não foi por maldade: era “pra Bruno aprender a ser homem”.

FIM

outubro 20, 2015 at 7:31 pm 10 comentários

QUIMERA 01 – O CLUBE DAS GAROTAS DA RUA ÁLAMO

Oi, pessoal.

Uma vez, quem sabe há muito tempo, “Quimera” deveria ter sido o título do ebook de um universo compartilhado do qual eu estava participando com alguns amigos escritores, a partir de um plot que sugeri. Infelizmente, a idéia não foi adiante e o título ficou no limbo.

Agora eu resgato essa nomenclatura para usar num projeto totalmente diferente. “Quimera” será um outro ebook, que pretendo distribuir gratuitamente na Web quando estiver pronto. Enquanto isso, vou postando cada uma das partes desse ebook aqui, para reuni-las no final.

Em essência, “Quimera” é mais simples que “Bizarrias”: serão apenas ilustrações acompanhando um texto em prosa.

Para este primeiro capítulo de “Quimera”, a arte é de Marco Aurélio Azevedo Santiago (Mark Santiago), um dos melhores desenhistas brasileiros que temos atualmente, apenas ainda não se tornou tão conhecido  quanto merece, mas os deuses permitirão isso breve, com certeza. Foi dele, por exemplo, a arte para “Luz e Consequências” e a terceira tirinha da série “Kika e Morgana”, disponíveis neste blog.

Todos meus agradecimentos possíveis ao grande mestre-artista Mike Deodato, provavelmente o melhor desenhista brasileiro, que cedeu a personagem dele, Melanie O’Brien, para ser usada neste texto. Agradeço também ao amigo Brian Augustyn, pelas sugestões e referências culturais.

Boa leitura!

Versão em JPG:
DONE DONE o CLUBE DAS GAROTAS DA RUA ÁLAMO

outubro 10, 2015 at 8:10 pm 1 comentário

A BALADA DO DUQUE ARMAN DE FONTAINEBLEAU

Oi, pessoal.
Este texto deveria ser uma música, mas achei que poderia não funcionar, por isso, ficou como um poema mesmo, do tipo que não faço a muito tempo.

A BALADA DO DUQUE ARMAN DE FONTAINEBLEAU

CORVOS DEVORAREM-LHE OS OLHOS
TIGRES FESTEJARAM COM SUA CARNE
E CHACAIS DISPUTAREM-LHE OS OSSOS

E LOGO,  DAQUELE NOBRE HERÓI,
SÓ A MEMÓRIA RESTAVA

SUA ESPADA CAÍDA EM TANTOS PEDAÇOS
A ARMADURA VIOLADA POR LANÇAS INIMIGAS
A CABEÇA NO ELMO FOI-LHE DECEPADA

E LOGO, DAQUELE INFELIZ HERÓI,
QUASE NADA RESTAVA

CEDO CHEGARA AO CAMPO DE BATALHA
NA CABEÇA, SONHOS DE FAMA E GLÓRIA
EM TERRAROUGE ANSIAVA PELA VITÓRIA

E, LOGO, DAQUELE DESAFORTUNADO HERÓI
SÓ A ARMADURA VAZIA RESTAVA

PARTIRA NO INVERNO DE SUA TERRA
BEIJARA SUA AMADA MAIS QUE QUERIDA
JURARA QUE CASARIAM NA PRIMAVERA

MAS, LOGO, DAQUELE HERÓI CAÍDO
SÓ ESTA CANÇÃO RESTAVA

Poema: Rita Maria Felix da Silva

setembro 9, 2015 at 9:45 pm 1 comentário

Posts antigos


Categorias

  • Blogroll

  • Feeds


    Seguir

    Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.